Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Os machos do PS

por MCN, em 29.09.14


A ideia que a candidatura de António Costa nos quis transmitir foi a de que se tratava de uma candidatura viril, capaz de superar as inibições pusilânimes e o jeito efeminado de António José Seguro.
Qual será a ideia de Cristina Figueiredo? Ou do Expresso?
Os nossos articulistas já não sabem o que escrever.
Ou será que para a Cristina o aspecto mais relevante do resultado das eleições de ontem é mesmo o facto de, nos entrementes, o PS ficar nas mãos das mulheres?

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

17:51

Primárias

por MCN, em 28.09.14

Se há novidade relevante para a democracia que estas eleições ditas ''primárias'' nos trazem é o de que se aguarda, na melhor das expectativas, que, entre militantes e simpatizantes, cheguem a votar 238 mil eleitores.
É um universo significativo, para um partido que alegadamente representa cerca de 25% dos portugueses votantes, que rondam, na melhor das expectativas, os 58%.
O mínimo que se poderia dizer seria que o PS escolheu com sabedoria o momento para demonstrar a pujança e a dinâmica da democracia portuguesa.
Sem o sábio contributo do Ministério Público e da ''intelligentzia'' do PS, a democracia estaria moribunda.
Este ano, todos parecem ter esquecido o 5 de Outubro. A agenda política está ''engarrafada'' com o espectáculo.
O 5 de Outubro repete-se para o ano que vem. As eleições ''primárias'' vão morrer com a democracia e com a República.


Autoria e outros dados (tags, etc)

16:16

O recente e caricato episódio da violação do estatuto de exclusividade por Passos Coelho demonstra e coloca a descoberto que existe uma conspiração política no seio da magistratura, que envolverá outras entidades associadas à investigação judiciária, e que a orientação dessa conspiração visa desmantelar a credibilidade das instituições democráticas e tem origem numa direita organizada com propósitos bem claros. Os recentes episódios demonstram ainda que os propósitos de tal conspiração se realizam através da manipulação da comunicação social, através de ''pivots'' invasivos com origem sobretudo na LUSA, no Correio da Manhã, na revista SÁBADO, no Diário de Notícias.
Tendo recebido uma denúncia anónima sobre matéria que não podia investigar porque prescrita, os magistrados transmitem o assunto a um jornalista da revista SÁBADO, fornecendo-lhe todo o suporte documental. Ao fazê-lo, para lá do mais, retiraram qualquer eficácia a investigações que pudessem correr no âmbito de matérias associadas não prescritas. O propósito era meramente criar um episódio mediático.
O Presidente da República devia abrir, de imediato, uma sindicância extraordinária à PGR e ao Ministério Público. A bem da tão alegada e cara estabilidade institucional.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

12:15

A pura verdade, ainda que pareça mera suspeita, é que tem que haver algum lobby a manipular a agenda das descobertas coordenadas entre o MP e o Correio da Manhã, LUSA, Sábado, etcetera e tal. Essa é a pura verdade. Outra pura verdade é que, como hobby de entretenimento, este carrossel de novidades satisfaz a oposição, que se compraz em ficar cativa, por uma semana, de um episódio caricato. Como se toda a tragédia da Nação assentasse num episódio de violação do estatuto de exclusividade que temos toda a legitimidade para supor que a maioria dos deputados viola e violou. Pelo que nada há mais de caricato do que pedir o levantamento do sigilo bancário relativamente às contas do Passos Coelho. Na verdade, o sigilo bancário devia ser extinto, pelo menos em relação a todos os titulares de cargos públicos, incluindo e sobretudo os deputados. Sepulcros caiados.


Autoria e outros dados (tags, etc)

23:11

Nunca, em Portugal, se tinha expresso com tão boçal arrogância a denominada ''classe política'' e financeira. A liberdade de expressão e de agir às claras sem o dever da argumentação acompanha exponencialmente a verdadeira corrupção que as instituições políticas e judiciais encobrem.
Já há dias tentámos chamar a atenção para estas declarações de Mira Amaral, que não sentiu qualquer inibição em declarar que tem - ele não diz que o BIC tem, diz tenho - o papel comercial no valor de quatrocentos milhões de Euros emitido pelo BPN em 2011, integralmente subscrito, com ''garantia de subscrição'', pela Caixa Geral de Depósitos e com reembolso garantido pela República Portuguesa, que se supunha estar em posse de PARVALOREM.

 

É de notar que tendo divulgado recentemente o relatório de avaliação da contabilidade de PARVALOREM e divulgado dados que apenas encobrem a natureza dolosa da forma e propósitos com que a PARVALOREM está a ser administrada, o Tribunal de contas não se pronuncia acerca da sede contabilística de mais de quatro mil milhões de papel comercial emitido pela empresa pública que administra os denominados activos do BPN ou ainda pelo BPN anteriormente.

 

http://www.dinheirovivo.pt/Imprimir.aspx?content_id=4072689

 

Fica claro que o BPN foi vendido por cerca de quarenta milhões ao BIC mas que a PARVALOREM transferiu para o BIC quatrocentos milhões em papel comercial.

Mira Amaral declara ainda que exclui do acesso a esta linha de crédito aberta pelo BIC para apoiar financeiramente empresas aquelas que dependem exclusivamente do mercado doméstico. Por essa razão, entendeu financiar a aquisição do EGF pela MOTA ENGIL em trinta e cinco milhões de Euros. Mas coloca como condição a garantia do Estado português.

 

O Ministério Público não investiga a PARVALOREM?

O que tenta encobrir o elenco ou a panóplia dos bombásticos processos abertos pelo MP no âmbito do ''caso BPN''?
O que irá encoberto na embalagem natalícia do BES? Quem, de hoje a três anos, vai declarar que tem em carteira quatro mil milhões do Fundo de Resolução garantidos pela República Portuguesa?

"É como um tipo que está a digerir uma bebedeira. Não se vai tratar com mais bebida em cima", ilustrou.

 

Dorme, dorme, meu menino, que a mãezinha logo vem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

15:05

O erro de Nuno Crato

por MCN, em 18.09.14

O Papa João Paulo II pediu um dia perdão a Deus pelo mal feito pela Igreja Católica aos judeus.
Os judeus continuam à espera de que Deus ou o Papa em seu nome lhes peça desculpa.
A Ministra da Justiça pediu ontem perdão aos portugueses pelos incómodos causados pelo caos do CITIUS. Ameaçou logo de seguida os funcionários do seu ministério com um inquérito para atribuir responsabilidades,
O Nuno Crato pediu hoje no Parlamento perdão aos portugueses, aos professores, aos alunos, aos pais, aos deputados, pelos incómodos causados por um erro acidental na colocação dos professores.
Mas anunciou logo de seguida que pretendia fazer HISTÓRIA. Pelo que ficamos sem saber se o erro foi a condição necessária e suficiente para que o ministro pudesse pedir perdão e fazer HISTÓRIA.

Pedir perdão começa a tornar-se um hábito e um propósito de fazer história.

Vamos conceder um perdão geral aos gajos?


Autoria e outros dados (tags, etc)

19:36

BIC, BPN, Mira Amaral distraiu-se

por MCN, em 17.09.14

As trevas estão a aclarar. Quando eles se sentem à vontade, vão desfiando o rosário.
Ainda não sabemos o que vendeu a coligação ao BIC, por cerca de quarenta milhões de Euros. Mas hoje o Mira Amaral distraíu-se.


''Logo aí, há mil milhões de euros disponíveis. Depois, tenho ainda um papel comercial que tinha sido emitido pelo BPN [Banco Português de Negócios] e subscrito pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) que são 400 milhões de euros. Portanto, se eu quiser tomar esse papel comercial fico com mil milhões mais 400 milhões de euros.

 

Ou seja, a coligação transferiu para o BIC pelo menos o valor de uma emissão de papel comercial, subscrito pela CGD e com garantia da República.
Até hoje, estávamos convencidos, pelas trapalhadas contabilística que eles difundem, de que os valores adquiridos através das emissões de papel comercial residiam nos balanços de PARVALOREM. Mas não. Estão na contabilidade do BIC.

 

Assim sendo, Mira Amaral faz contas ao que TEM. ''Eu tenho''!!!!!!!

 

A boçalidade desta cáfila começa a ser vergonhosa. ''Se eu quiser tomar esse papel comercial''!!!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

23:13

A Face Oculta à vista II

por MCN, em 07.09.14

De acordo com o que foi noticiando a comunicação social, o Ministério Público, em cumplicidade com os senhores anarquistas, o MRPP sobrante na coligação governamental, os comunistas, a ditadura do proletariado e a excelsa troika, acusaram vários arguidos no processo Face Oculta de ''participação económica em negócio'' (sic!)
Vou folheando o Código Civil e o Código do Processo Penal, tentando tipificar o crime.
A participação económica num negócio é crime?
Pensei que crime seria a participação política num negócio. Embora seja óbvio que existem negócios económicos que requerem um jeito político.
Como digo, quem se lixa é o sucateiro.
Dá-lhe na caneca, português!


Autoria e outros dados (tags, etc)

23:14

A Face Oculta à vista

por MCN, em 07.09.14

É hoje mais do que óbvio que, no acto de atribuir uma denominação de código ao processo, a ‘’face oculta’’ referia-se a alguém que estava na mira e no propósito da investigação e da abertura do processo, cuja identidade havia que, por razões alegadamente processuais, manter em segredo.
A abertura da investigação foi anunciada nos meios de comunicação social em Outubro de 2009, corria quase um ano desde a prisão de Oliveira e Costa.
A forma fragmentária e sincopada com que a comunicação social vai intervindo nestas matérias, impedindo um entendimento abrangente, tem como propósito desmantelar o fio e a ligação cronológica e política entre todos estes processos.
Por mim, eu não tenho qualquer dúvida de que a abertura da investigação e do processo ‘’Face Oculta’’ foi a resposta de um dado segmento da magistratura e das entidades judiciárias ao ‘’processo BPN’’. E de que a ‘’Face Oculta’’ era José Sócrates.
Mas aquilo que gostaria mesmo de colocar em destaque era a dimensão das penas aplicadas no caso ‘’Face Oculta’’.
A pena aplicada a Manuel Godinho aproxima-se do modelo penal aplicado em Portugal a um homicida, havendo muitos que ficam bem aquém. A desproporcionalidade relativa às penas aplicadas aos arguidos políticos, afinal os ferozes promotores da corrupção, parece-me obscena.
Diria pois e para já que em Portugal o sistema judicial descarrega as penas sobre os sucateiros.

Autoria e outros dados (tags, etc)

18:22


Mais sobre mim

foto do autor



Pesquisar

  Pesquisar no Blog