Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Os portugueses vão ser em breve vítimas consentidas de um novo fascismo, sob a roupagem das burkas dos novos anarquismos. Há muito que o fascismo, covardemente acoitado sob várias roupagens, denuncia os atentados consentidos contra direitos fundamentais. As mulheres coagidas a usar burka. As adolescentes castradas em África. As ´´prostitutas'' divagantes que reclamam, em nome dos seus chulos, a legitimidade ou inocência do comércio do ''amor''. Há mesmo condenados a enforcamento no Irão que terão previamente assinado o seu consentimento. Matérias que muito preocupam os moralistas católicos fundamentalistas. Face ao que foi revelado pela advogada de um dos alegados cúmplices de José Sócrates, o Procurador Rosário Teixeira invoca o Código do Processo Penal, alegando que todos os atropelos grosseiros de direitos fundamentais foram praticados, eufemismo para cometidos, com consentimento das vítimas, devidamente recolhido em termo e auto por elas assinados. Por seu lado, o Juiz Carlos Alexandre declara que assume todas as responsabilidades. Não entendi ainda que disposição legal sugere a Carlos Alexandre assumir a responsabilidade por crimes alheios. Tal não é compatível, para mais, com a definição legal das competências de um juiz de instrução, sugerindo uma obscena promiscuidade entre a acusação e a entidade arbitral. Os magistrados serão boçais, incultos, populistas, demagogos, manipualadores do analfabetismo primário dos portugueses. Mas cuidem-se, porque das duas uma, ou asseguram politicamente, no futuro, a sua impunidade ou a história não perdoará. O tão apregoado estado de direito é incompatível com a manha dos agressores quando coagem as vítimas a consentirem na agressão. Tudo o resto são obscenidades que só passam no crivo da vigilância da democracia graças ao estado primário ou primitivo da cultura dos portugueses manipulados pela liberdade da imprensa. Chegados a este ponto, sinto-me constrangido a colocar uma questão. Teria José Sócrates consentido o assalto de Mário Machado à residência do seu tio, Celestino Monteiro? Será que, na posse desse consentimento, o Ministério Público, o Procurador da República e o Juiz de Instrução reagem com sobranceria à confissão do nazi Mário Machado?

Autoria e outros dados (tags, etc)

15:56



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Pesquisar

  Pesquisar no Blog